R$ 4.15
Libra
=
R$ 4.15

A vida difícil de quem muda de país para cuidar da família no Brasil

Com a crise mundial afetando a tudo e a todos, e o desemprego batendo na casa dos 10% da população nos últimos meses, a situação só se torna cada vez mais complicada para as famílias brasileiras. Mesmo com formação adequada, cursos e diplomas, para alguns parece não haver mais saída viável, quando inúmeras vagas de emprego são preenchidas rapidamente por outras pessoas – a competitividade se acirra. Sendo assim, para muitas famílias a saída que lhes resta é buscar no exterior uma oportunidade de trabalho. Com a moeda nacional desvalorizada em relação à Libras, Euros e Dólares, ficaria mais fácil juntar dinheiro e fazer economias no exterior de valores significativos ao serem enviadas ao Brasil.

Ao se estabelecerem no país de destino, e estabilizarem em um emprego fixo – ou vários, como serão apontados ao longo do texto – parte do salário deste trabalhador é enviado ao Brasil para auxiliar suas famílias em sua manutenção e sustento. Estas quantias são chamadas de Remessas. Esta prática se tornou tão comum que em 2009, 2,2 bilhões de dólares chegaram ao país enquanto 669 milhões foram remetidos para fora, segundo o Banco Central – e esta quantia só aumentou exponencialmente desde então. Muitos bancos auxiliam este processo e diversas empresas financeiras são criadas com este intuito tanto no Brasil quanto no Exterior todos os anos.

Dificuldades podem gerar mais problemas que benefícios

Apesar de apresentar algumas vantagens econômicas, a situação de quem se propõe a sair do próprio país e deixar a família para trás é delicada, e esta decisão requer muito preparo psicológico e financeiro. À medida que a crise se agrava, massas de trabalhadores usam suas economias para tentar a vida no exterior – muitas vezes sem tempo de aprender a língua local, os costumes e a cultura do país escolhido, influenciando negativamente sua qualidade de vida no local.

Imigrantes latinos, indianos, muçulmanos e negros podem sofrer com a xenofobia de países europeus de maioria caucasiana, e acabar por trabalhar em empregos secundários em que o salário é menor. Ainda assim, muitos trabalhadores se submetem a este regime por anos, ao ver que a situação de suas famílias em sua terra natal tem chances de melhorar e dependem desta renda. A situação fica ainda pior quando o trabalhador ingressa no país estrangeiro ilegalmente – acarretando ainda mais riscos para sua estadia. Em alguns países, antes de ser mandado de volta à sua terra de origem, a polícia ainda confisca seus ganhos obtidos no país.

Por isso, muita analise deve ser feita antes de se tomar uma decisão tão radical. Pesquisas, conversas com moradores brasileiros no país estrangeiro, troca de informações e principalmente comunicação são essenciais durante este processo. Por mais simples e até mesmo ideal possa parecer, mudar de país requer muita coragem e força – e apesar de uma família merecer todo este esforço, o bem-estar de todos durante esta jornada deve ser priorizada.

Envie seus valores pela Master Transfer

Escolher uma empresa de envio de valores que prioriza o profissionalismo e segurança pode transformar positivamente o seu dia. Nossa meta é continuar essa história conectando você aos seus objetivos, seja na esquina ou ao redor do mundo, com serviços financeiros rápidos e confiáveis. Clique aqui e se cadastre!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *